Como superar o medo de um primeiro encontro?

Superar o medo de um primeiro encontro

Como superar o medo de um primeiro encontro (em época de pandemia)?

18 de Outubro de 2020

Encontrar o amor na melhor altura da vida pode ser difícil, durante uma pandemia os obstáculos acentuam-se. Não vemos a expressão por detrás da máscara nem se proporcionam tantos cenários para conhecermos alguém. Na época do distanciamento social, nunca como agora o cultivo de novas relações e a manutenção das antigas - familiares e sociais, sobretudo - revelou ser tão importante para a nossa sanidade mental. Sem abraços, com novas regras de segurança e com uma máscara na cara e o álcool-gel sempre à mão... No meio de tudo isto, o que aconteceu realmente aos primeiros encontros de pessoas que continuam à procura do amor? Em que patamar de prioridades ficaram? Como se pode namorar hoje em dia, num mundo que nos parece virado do avesso? Sabemos apenas que o amor continua a ser fundamental e que há que dar a volta para que continue a acontecer, numa leve sensação de que a vida continua a andar para a frente e que continuamos a viver momentos felizes, apesar do contexto atual. Mesmo com distanciamento social, máscaras e álcool gel, é imperativo sentirmo-nos vivos e avançar para primeiros encontros, se acharmos que faz sentido.

Vencer a barreira do primeiro encontro

Num mundo sem Coronavírus, tudo parecia relativamente mais fácil (ou pelo menos não se levantavam tantas questões) para os solteiros à procura do amor. Hoje, é inevitável pensar: será que esta pessoa está infetada? Será que saiu com outras pessoas há pouco tempo? É seguro marcar um encontro físico? E se eu sentir algo mais e quiser avançar para algo mais íntimo num próximo encontro? Questões pertinentes para quem está nesta situação, mas que devem ser encaradas com naturalidade. Sabemos que é normal haver uma mistura de sentimentos num primeiro encontro nos dias de hoje, mas também todos já lemos algum estudo publicado sobre o impacto que a solidão durante a pandemia pode ter em pessoas que não têm uma relação. E quando de um lado da balança está a vontade de conhecer a pessoa e do outro o medo do vírus, escolhemos sempre o primeiro. O mais importante de tudo é vencer a primeira barreira do receio já que, tomando todos os cuidados necessários, é sempre possível marcar um encontro ao ar livre, num jardim ou até mesmo numa esplanada.

O que fazer num primeiro encontro em época de Covid-19?

Para um primeiro encontro em tempos de pandemia tente abstrair-se do contexto atual e concentre-se só no momento. Talvez não dê para fazer o plano mais original, mas não será por isso que deixará de ser menos especial. Aproveite o momento (com o devido distanciamento social, claro) e a companhia e não se preocupe tanto em agradar ou em surpreender relativamente ao local ou à atividade escolhida. O mais importante é estarem tranquilos e, se correr bem, quem sabe se, depois de testados e devidamente seguros dos sentimentos, não acabam a dividir a renda de casa? Aqui ficam algumas sugestões para um primeiro encontro em segurança:

1. Reinventar o jantar no restaurante

Podem sempre fugir aos restaurantes e espaços fechados e procurar algum plano mais restrito e com menos gente. Que tal substituir um jantar por uma degustação de vinhos e queijos, que claramente só poderá ser feita por marcação e por isso mesmo será mais restrita e segura? Para um primeiro encontro talvez um jantar em casa seja demasiado íntimo, mas podem sempre fazê-lo virtualmente. Outra ideia? Combinem um copo ao final da tarde numa esplanada e aproveitem o momento, sem grandes planos para depois. Como agora todos servem comida, podem picar algo rápido e prolongar o encontro com um passeio por algum jardim, por exemplo.

2. Passeios ao ar livre

Podem visitar um jardim ou mesmo um local ao ar livre, fora da cidade. Pelo entorno e magia que transmitem, locais como a Fundação Serralves, a Quinta das Lágrimas, a Quinta da Regaleira em Sintra ou a Mata Nacional do Buçaco são excelentes planos para um primeiro encontro ao ar livre. Se forem do tipo mais urbano, um tour pela cidade, pelos ruas e espaços mais secretos ou icónicos, como miradouros e locais históricos, é uma boa forma de explorar o potencial da relação.

Passeios ao ar livre

3. A tecnologia em encontros à distância

A tecnologia tem o poder de juntar pessoas, em aplicações como o Felizes.pt, e tem também o poder de juntar pessoas à distância. Em contexto de pandemia, nunca assumiu um papel tão importante. Comunicamos à distância por trabalho, para ver a família, para falar com os amigos e também para ter primeiros encontros. Numa videochamada tudo é possível. Uma conversa, um jantar, um brunch, assistirem a um filme juntos, fazerem uma sessão de Karaoke, entre outras tantas coisas. Principalmente se vivem em cidades diferentes e a deslocação não é possível nesta fase de pandemia, usem as redes sociais e as várias plataformas de vídeo que andam por aí para terem um primeiro encontro.

A Covid deixou muitas vidas em suspenso. Não sabemos quando vai terminar, por isso o melhor é aprender a viver com o vírus da forma mais segura possível. Avance com o encontro que quer tanto que aconteça, sem mais hesitações. Vale tudo no que toca a reinventar-se menos adiar a sua vida!



 
0 Comentários

Inserir comentário

Inserir